Edmilson tem seis atrás de vaga ao seu lado no ataque do Vasco

As duas primeiras partidas no estadual apontavam para um trio de atacantes. William Barbio de um lado, Reginaldo do outro e Edmilson como centroavante na área. Houve variações, com duplas diferentes, seja com Everton Costa, seja com Thalles, ou trincas com Montoya, Bernardo e ele, Edmilson, o único titular absoluto no ataque do Vasco. Às vésperas da 12ª rodada do Carioca, a disputa continua: quem vai jogar com Edmilson no ataque de Adilson Batista?

O técnico vascaíno só repetiu o ataque nos dois primeiros jogos do ano (William Barbio, Edmilson e Reginaldo) e em outra oportunidade, quando escalou Montoya, Barbio e Edmilson em duas partidas consecutivas. Mas uma prova da disputa intensa no ataque vascaíno – ou, em outro ponto de vista, da incessante busca pelo melhor rendimento do setor ofensivo – está num fato: fora Edmilson, todos já tiveram chances e deixaram a equipe em poucas rodadas.

 
MONTAGEM - Reginaldo, Montoya, William Barbio, Thalles, Bernardo e Everton Costa vasco (Foto: Marcelo Sadio / Vasco.com.br)

William Barbio começou o estadual como titular. Foram seis jogos entre os 11, mas nos últimos compromissos ficou fora até do banco de reservas. Reginaldo, que também iniciou a temporada jogando, ficou fora da equipe por lesão e voltou aos poucos até entrar bem contra o Madureira e receber derretidos elogios do técnico Adilson Batista pela postura tática “perfeita”.

– Essa minha voz rouca assim não é por causa dele, é pelos outros – brincou o técnico após a partida contra o Madureira. – Reginaldo é taticamente perfeito, ele já recompõe naturalmente, não preciso pedir.

Questionado na última partida se a disputa estava entre Thalles, xodó da torcida, e Montoya, que entrou no segundo tempo, Adilson lembrou que podia testar outra alternativa. O técnico adotou o tradicional 4-4-2 desde a estreia de Douglas, com a entrada de Everton Costa, que jogava até se contundir e voltar para o final da fila novamente. Mas mesmo nessas partidas, no intervalo ou durante o segundo tempo, ele voltou ao 4-3-3, como no último jogo, quando colocou Montoya e Reginaldo abertos pelas pontas.

A opção com dois jogadores de área, com Thalles e Edmilson, foi praticamente descartada pelo treinador em entrevista ao GloboEsporte.com. Porém, para enfrentar o Madureira, em Conselheiro Galvão, foi o recurso que o treinador usou no primeiro tempo. Bernardo corre por fora, embora Adilson também goste de vê-lo mais próximo do ataque, porque o meia-atacante pode ser mais útil com seu forte poder de finalização.

Fonte: GloboEsporte.com

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠