Em renegociação com a Penalty, Vasco não recebe material há quase 3 anos em alguns esportes

O abandono do Vasco não pode parar, esse parece ser o lema da diretoria do Vasco da Gama nesses cinco anos de comando. Noticiado no site Globo Esporte, o Gigante da Colina parece estar em conversas para uma possível renovação coma fornecedora de material esportivo, Penalty.

Em 1995, como a maioria dos vascaínos já sabem, o Vasco rompeu com a fornecedora, já que a qualidade de material apresentado pela empresa era baixo comparado a grandeza do clube. Quase 14 anos depois, em 2009, a Penalty retornou a São Januário e parece que os problemas só aumentaram de 1995 para cá.

 

Com uma qualidade de material ainda bastante questionável, a Penalty segue cometendo diversas gafes e parece ser grande parceira do clube no que diz respeito em abandono. Como todos sabem, a atual diretoria é marcada por interdições. Interditaram o Ginásio Principal, interditaram o Parque Aquático, deixaram a Sede do Calabouço aos pedaços e colocaram o Vasco com mero participante no esporte mãe do clube.

Mas esses estão longe de serem todos os problemas apresentados pelo Vasco. A Penalty, que está desde 2009 no clube, em alguns esportes não envia material esportivo há quase 3. Dois dos principais esportes do clube, o basquete que é multicampeão e tradicional, e o futsal que é a principal fábrica de talentos do clube, ainda jogam com uniformes da temporada 2011, estampando uma propaganda gratuita da Eletrobras, ex-patrocinadora do Vasco que já está há quase 1 ano fora do clube.

Vide abaixo as fotos dos “atuais” uniformes de basquete e futsal do Vasco.

Em 2013, o futsal sub-17 do Vasco disputou a Taça Brasil de Clubes, o Campeonato Brasileiro da categoria, e passou vergonha com seus uniformes. Recebendo às sobras do futebol de campo, as camisas ainda continham os patrocínios da Eletrobras e BFG, que na época já não eram mais parceiras do clube. Daí surgiu o remendão. O Caixa foi remendado sobre a marca da Eletrobras na frente da camisa, o Nissan no Eletrobras das costas, e no BFG, o jeito foi colocar o número da frente da camisa em cima dele. Confira abaixo.

E na grande decisão da Taça Brasil, eis que surge o novo uniforme de goleiro do clube, ou não. Os goleiros cruzmaltinos atuaram com uma camisa de treino, já que não tinha mais opções de camisas para o jogo. Veja a foto abaixo.

Os uniformes do futsal e do basquete do Vasco são contados para cada jogador, tanto os uniformes de jogo, quanto de treino. Os de jogo são passados de jogador para jogador a cada mudança de ano, categoria, ou coisas do tipo.

Penalty também não fornece material ao torcedor do Vasco

Quem conhece a imensa loja oficial da Penalty em São Januário, a Gigante da Colina, sabe muito bem que a loja só tem tamanho. Opções de modelos para o torcedor do Vasco ficam praticamente restrito aos uniformes de jogo com preços exorbitantes. Exemplo: camisas atuais, modelo de jogo, com preços superiores e menos opções de pagamentos como lojas de materiais esportivos em geral.

Camisas alternativas como de treino, são raramente encontradas, de manga longa, a Penalty nunca colocou disponível para a venda e de basquete que jamais foram vendidas, deixa o torcedor decepcionado e com a certeza que a empresa não é capaz de ser fornecedora do Vasco da Gama.

Nas redes sociais, algumas páginas no Facebook e torcedores via Twitter, tentam incentivar a campanha com a hastag #PenaltyNão e #ForaPenalty, mostrando o descontentamento com a fornecedora.

Vale ressaltar, que no Balanço das Contas de 2011, o Conselho Fiscal do Vasco constatou irregularidades na prestação de contas e relatou a falta de transparência no repasse dos royalties da empresa para o clube.

Fonte: CRVG em Todos os Esportes

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠