Cinema e leitura: as válvulas de escape de Jorginho no drama do Vasco

Um dos responsáveis pela reação do Vasco no Campeonato Brasileiro, o técnico Jorginho tem buscado opções fora de campo para tentar aliviar um pouco a tensão que vive desde que chegou ao clube. Apreciador de filmes e livros, são nas sessões de cinema e nos momentos de leitura que o comandante relaxa e se distrai um pouco da grande responsabilidade de livrar o Cruzmaltino do rebaixamento.

De estilo motivador, o treinador, inclusive, tem transmitido algumas vezes suas próprias experiências nestas áreas para o dia dia de São Januário. Recentemente, por exemplo, o treinador citou em uma entrevista coletiva o escritor e psiquiatra Augusto Cury para explicar como lidava com os compromissos desta reta final. Para isso, lembrou de uma das teorias do profissional chamada de SPA (síndrome do pensamento acelerado), e que consiste em buscar um equilíbrio para evitar os transtornos causados pela ansiedade.

No cinema, porém, o contato com o público é inevitável, assim como a “lembrança” da situação do Vasco, algo que ele tira de letra e até carrega consigo para se motivar.

“Creio que temos contagiado o torcedor. Temos o encontrado diariamente. Eu gosto muito de ir ao cinema, isso me ajuda a refrescar a cuca. E quando vou ao shopping para assistir a um filme, as pessoas falam sobre isso, sobre estarmos contagiando eles. Vários falam que se talvez eu tivesse chegado um pouco antes, a situação seria diferente. Isso é legal. Fizemos com que o torcedor acreditasse. Não temos dúvida que é difícil, mas não impossível”, disse Jorginho logo após o empate em 1 a 1 com o Corinthians.

O treinador, assim como seu auxiliar Zinho, tem contrato com o Vasco até o fim deste ano e ainda não conversou com a diretoria sobre renovação.

Fonte: UOL Esporte

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠