Dinamite ataca Eurico Miranda e expõe erros da gestão do desafeto no Vasco

Eurico Miranda e Roberto Dinamite em reunião em São Januário: desafetos

Roberto Dinamite não costuma revidar muito os bombardeios que sofre de Eurico Miranda, mas desta vez, relembrando seus velhos tempos de jogador, resolveu ir para o ataque. Em sua página oficial no Facebook, o ex-presidente do Vasco disparou contra o seu desafeto e expôs erros do atual mandatário do clube.

Após iniciar o texto destacando que “assumir os erros é fundamental para a formação do caráter de uma pessoa”, ele detalha algumas situações que se deparou quando assumiu a presidência, em 2008, após vencer justamente Eurico na eleição.

Dinamite revelou ter encontrado mais de 350 ações trabalhistas e que, segundo o próprio, o número hoje é bem menor. Rebateu também as acusações de que não recolhia impostos, lembrando que, por ter feito isto, conseguiu o contrato de patrocínio com a Caixa Econômica Federal, que vigora até hoje.

Lembrou do caso revelado pelo UOL Esporte, quando encontrou um almoxarifado vazio, sem uniformes de treinos e jogos, e destacou também algumas conquistas, como a Copa do Brasil de 2011, o vice-campeonato brasileiro do mesmo ano e o retorno à Libertadores após 14 anos.

Por fim, pediu uma trégua nos ataques e exigiu trabalho para a recuperação do Vasco. Confira abaixo a íntegra:

“Aprendi com a vida que assumir os erros é fundamental para a formação do caráter de uma pessoa.

Quando atleta, sempre busquei crescer e evoluir. Quando presidente, nesta gratificante missão, acertei mas errei também. Não há dúvidas. Mas sempre admiti e buscava a correção.
O Vasco caiu, mas o torcedor quer o melhor, quer o ideal, e não discussão de um lado ou de outro. Não cabe mais isso, ficar mostrando o que um fez melhor que o outro. A hora é de trabalho, como sempre foi feito. Trabalhei e muito enquanto estive lá. Abri mão de minha vida pelo Vasco. E não me arrependo. Muito pelo contrário. Peguei um clube muito mal também e não há o porquê de se esconder isso. Mas refleti e vi que não vai somar nada ficar nesta discussão.

Podia dizer que tínhamos mais de 350 ações trabalhistas para responder de gestões passadas e que hoje o número é muito menor, mas isso vai somar em que, vendo o nosso Vasco derrotado e rebaixado mais uma vez?

Afirmar que muita dívida foi paga, incluindo ex-treinadores e jogadores de futebol e muitos ex-atletas de esportes olímpicos, mas aumentou agora por conta destas ações perdidas em sua maioria, já que na justiça do trabalho dificilmente o patrão vence, melhoraria em que?

Confirmar que sim, muito imposto foi pago, o que nos possibilitou ter patrocínios inclusive pontuais do governo, vai ajudar o Vasco a recuperar a primeira divisão em 2016?

E dizer que tínhamos 8 jogadores em 2008 e que nem uniforme no almoxarifado possuíamos, o que ajuda nesta hora?

De minha parte não há porque de esticar isso. É preciso reconhecer erros e acertos. Nestes seis anos em que estive lá, o Vasco também venceu. É muito. Copa do Brasil, vice brasileiro e voltando a libertadores 14 anos depois da última vez. Só não ganhamos o carioca de 2014 porque muita gente não queria. Mas não vou e não tenho direito de bater no peito e dizer que “eu fiz isso ou aquilo”. O Vasco precisa de nós e menos eu. Seu torcedor está cansado disso.

Fui sim um grande jogador e tenho a minha história, sabendo do tamanho dela. Os vascaínos reconhecem isso. Não fui uma lastima como administrador. Como não creio ser saudável dizer que 2015 foi ruim pro Vasco. Não estou mais lá e não vejo razão para alimentar algo que os milhões de tristes vascaínos hoje não merecem. Eles merecem perspectiva, esperança, alegria. Alegria, que os patrocinadores que estão até hoje no clube possam estar dando com suporte financeiro para organizar mais as combalidas finanças. E que novos possam vir, que valores e apoios deste tipo apareçam.

Fica aqui a minha torcida, como foi em todo ano em qualquer momento que tive oportunidade de me manifestar, o meu apoio. Jamais, em tempo algum, vou ficar feliz por derrotas, vou tentar prejudicar meu clube nos bastidores ou coisa parecida. Pela história que construí com meu esforço, preciso ser maior que isso. Sem números, sem dados, sem estatísticas econômicas, sem acusações. Mas admitindo erros e unindo forças. Só assim o Vasco será o nosso Vasco, o Vasco que a querida massa vascaína merece.

SV
Roberto Dinamite”
 
Fonte: UOL Esporte

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠