Campeão por Vasco e Bota, Mauro Galvão prevê ano difícil para ex-clubes

Ídolo cruz-maltino, Mauro se mostrou triste com situação (Foto: Fernando Pilatos / Futura Press)

Zagueiro, técnico, campeão, jogador consagrado. Mauro Galvão viveu tudo isso por Vasco e Botafogo, dentro e fora de campo. Ao final de 2015, o zagueiro campeão da Libertadores e do Campeonato Brasileiro pelo Cruz-Maltino, e do Carioca de 89 que tirou o Glorioso da fila de 21 anos sem títulos, vê seus ex-clubes em momentos complicados. Ele projeta uma temporada difícil tanto para o time de São Januário, voltando à Série B, quanto para a equipe de General Severiano, retornando à elite nacional.

Acostumado a conquistas em São Januário, o ídolo do Vasco enxerga um panorama bem diferente do que vivenciou dentro de campo. Com carinho especial pelo clube da Colina, Mauro Galvão afirma que, enquanto instituição, o Vasco não merecia cair. Porém, como time, tecnicamente, diz que o rebaixamento foi justo.

– É muito triste, e a gente fica preocupado. A torcida do Vasco não merece isso. Eles sempre têm dado sua contribuição, apoiam o time em todas as situações. O primeiro turno do Vasco foi muito ruim, abaixo do que é um time grande. Muitos erros. Três rebaixamentos é muita coisa – disse o ex-zagueiro, que esteve em Juiz de Fora neste sábado para um jogo de masters.

Mauro Galvão viveu um período semelhante em São Januário. Coordenador de futebol amador na gestão Roberto Dinamite, entre 2013 e 2014, anos em que o clube foi rebaixado para a Série B e retornou à Primeira Divisão, respectivamente, o antigo defensor viu o mesmo processo acontecer. Muitos torcedores culpam Dinamite e Eurico Miranda pelas duas quedas. Mauro não. Ele exime os dirigentes e lembra que existem muitos outros culpados que, na opinião dele, jogam contra dentro do clube.

– Sempre achei que o problema não é a presidência. Esta divisão é muito ruim para o Vasco. O clube fica enfraquecido. Muita gente de um lado, muita gente de outro, e o Vasco precisa de união. Todos precisam ter o mesmo ideal. Não adianta pensar “vou fazer uma gestão maravilhosa”. Daqui a pouco pode faltar alguma coisa. Ninguém é culpado sozinho. Na época do rebaixamento, o Vasco perdeu muita gente por falta de pagamento, o que não pode acontecer. Esse não é o Vasco, mas ele precisa demonstrar isso, dentro e fora de campo – comentou.

exemplos para o bota

Diferentemente do rival, o Botafogo retorna à Série A. No entanto, o sentimento de alegria por ter o Alvinegro de volta à elite não faz com que Mauro imagine um ano menos difícil para o time da Estrela Solitária. De acordo com o ex-zagueiro, o Glorioso precisa aprender com o exemplo do Vasco e ver o que não deve ser feito em 2016.

– O Botafogo precisa se espelhar nestes exemplos. Não deveria ter saído da Série A, mas precisa ter cuidado agora que voltou. O Vasco ganhou o Carioca e achou que estava tudo resolvido. Pelo contrário. É preciso reforçar a equipe, porque o nível é outro – pontuou.

 

Botafogo campeão Série B (Foto: Vitor Silva / SSPress / Botafogo)

Um dos técnicos do clube no Brasileirão de 2004, quando o Bota voltava da Série B e lutava novamente contra a degola, Mauro Galvão acredita que o clube tem que manter a política de pés no chão para não estourar o caixa e aumentar a dívida. Segundo ele, existem muitos bons jogadores disponíveis no mercado e é necessário saber encontrá-los.

– A dificuldade é conseguir reforços de peso, que são mais caros, difíceis de se contratar. A ideia é pesquisar, olhar o mercado, ir a lugares onde os outros clubes não vão. Mercados alternativos, onde os custos não são tão altos e a qualidade exista. Isso não é vergonha para ninguém. Tem que se trabalhar com o que se tem. Se o orçamento é esse, tem que se manter essa realidade. É melhor pagar pouco do que não pagar. Na Série B, o Botafogo entendeu isso e acho que podem seguir com este pensamento. Está difícil para todo mundo – finalizou.

Fonte: GloboEsporte.com

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠