Fatos e fotos do Vasco: retrospectiva de um ano de respeito e queda


LANCE!

Rio de Janeiro (RJ)

O ano que começou com o Vasco comemorando o retorno à elite do futebol, teve a volta de Eurico Miranda como presidente, contou com o título estadual e mais um rebaixamento no Campeonato Brasileiro. 2015 com certeza foi um ano de fortes emoções para os vascaínos, que esperam ver novamente o Gigante na Série A do Brasileirão.

Janeiro:

O reformulado time do Vasco deu más impressões na pré-temporada. Duas derrotas no torneio Super Series (para Flamengo e São Paulo).

Fevereiro:

O segundo mês do ano teve saldo amplamente positivo. Em sete jogos, cinco vitórias e dois empates. Um dos triunfos foi contra o Fluminense. No início do Carioca, a defesa funcionava, mas o ataque marcava poucos gols. Ainda naquele mês, Falcão foi apresentado em São Januário. Ele defendeu o time de fut7 do Cruz-Maltino.

Março:

Gilberto, após longa novela, estreou e logo se consolidou como titular da equipe. Dagoberto, emprestado pelo Cruzeiro, fez, na estreia, contra o Nova Iguaçu, o primeiro e único gol pelo time de São Januário. Derrota para o Flamengo, no ‘Jogo da Chuva’, e empate com o Botafogo.

Abril:

A derrota por 5 a 4 para o Friburguense chamou atenção, mas o time que fazia muitos gols de bola parada avançou na Copa do Brasil e superou o Flamengo no Estadual. Ao chegar na final, superou o Botafogo na primeira partida.

Maio:

O primeiro jogo do mês foi o segundo da final. A nova vitória sobre o Botafogo fez com que o título carioca voltasse para São Januário após 12 anos. O time volta à Série A, mas obtém três empates e uma derrota. Na Copa do Brasil, avança após dois empates com o Cuiabá.

Junho:

A série de derrotas – inclusive em casa, para a Ponte Preta – só terminou com a chegada de Celso Roth, após Doriva pedir para sair. Na estreia, vitória sobre o Flamengo. Mas o mês ainda teve Douglas Silva e Marcinho pedindo para rescindirem contrato e Bernardo afastado (acabou emprestado ao Ceará). Andrezinho foi contratado no fim do mês. Nos bastidores, os casos ‘Ronaldinho 90%’ e ‘Leo Moura’ movimentaram o noticiário.

Julho:

A vitória sobre o Avaí, no dia primeiro, dava a impressão de que o Cruz-Maltino evoluiria, o que não ocorreu. Nos jogos seguintes, derrotas para Chapecoense, goleada para o São Paulo e nova derrota, agora para o Grêmio. Duas vitórias sobre o América-RN, pela Copa do Brasil, e a vitória sobre o Fluminense, encheram a torcida de esperança novamente. Contudo, a desastrosa atuação contra o Palmeiras, que teve Herrera perdendo um dos gols mais inacreditáveis do ano, deu um choque de realidade em todos: a briga do Vasco, realmente, seria contra a degola.

Agosto:

Nenê e Jorge Henrique chegaram para reforçar o setor ofensivo. No campo, a série sem vencer persistiu. A derrota para o Coritiba, na última rodada do primeiro turno, afundou ainda mais o Vasco na lanterna da competição. O Cruz-Maltino tinha, a partir daquele momento, que lutar contra a história: nunca, na história do Campeonato Brasileiro por pontos corridos com 20 clubes, o último colocado no primeiro turno escapara do rebaixamento. Jorginho assumiu e o time superou o Flamengo, na Copa do Brasil. Mas os maus resultados, no Brasileiro, persistiam.

Setembro:

Logo no início do mês, a derrota por 6 a 0 para o Internacional parecia sacramentar a queda do Vasco. Afundado e sem aparentar poder de reação. Na partida seguinte, o time perdeu para o Atlético-MG, mas voltou a fazer gols após mais de 700 minutos. Na sequência, o gol de Leandrão deu a primeira vitória da arrancada que estava por vir.

Outubro:

A arbitragem entrava em cena de vez. Empates com Avaí e o inesquecível contra a Chapecoense causaram rebuliço nos bastidores, e até o presidente do Vasco, Eurico Miranda, disparou contra um suposto favorecimento a equipes catarinenses. Masa verdade é que o Cruz-Maltino não venceu neste mês.

Novembro:

No início daquele mês, a queda de rendimento resultou em derrota para o Fluminense, o que colocou em xeque a reação, que já parecia viável. Mas a vitória sobre o Palmeiras fez com que o time não desanimasse. Em seguida, o time empatou com o Corinthians e venceu Joinville e Santos.

Dezembro:

Na última rodada, o empate com o Coritiba não bastou e o time foi rebaixado. Pela combinação necessária, que não ocorreu, nem a vitória seria suficiente.

Fonte: UOL Esporte

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠