Alexandre Campello fala sobre a prorrogação do empréstimo de Benítez; veja vídeo

Em participação em live do canal “Atenção Vascaínos” na última 2ª-feira, o presidente do Vasco, Alexandre Campello, detalhou a negociação pela prorrogação do empréstimo do meia Benítez ao Vasco:

“Interessante isso, porque a gente pode esclarecer. O Vasco é conturbado por causa disso, porque tem um monte de pessoas que não estão lá no dia a dia, mas que participam de alguma forma da vida política e que fazem questão de criar umas celeumas, criar umas historinhas. Na realidade, o presidente do Vasco, até que ocorra a posse do novo presidente, até lá, o presidente sou eu, e todas as decisões, quem vai tomar, sou eu. Eu procurei o Jorge Salgado, propus uma transição que fosse boa pro Vasco, que a gente pudesse conversar, que a gente pudesse ir passando todas as informações. Coloquei todos os departamentos do clube à disposição do Jorge e dos seus vice presidentes. Naquele momento, em relação ao Benítez, como existia uma opção de compra que tinha data limite no dia 15 de dezembro e que deveria ser pago em fevereiro e, obviamente, não seria eu que iria pagar, eu achei que não era honesto, da minha parte, assumir essa compra para que ele pagasse. Então, conversei com ele, chegamos à conclusão que a gente não iria fazer a compra e começamos então a negociar a extensão do contrato. No meio dessa discussão, inicialmente, o Independiente não queria fazer e extensão do contrato, fincou o pé. A gente: ‘Tá bom, não vai fazer, não vai fazer e a gente não vai comprar’. Aí depois, com a impossibilidade dele jogar na Argentina e ele só poder jogar, no Brasil, no Vasco, se reabriu a conversa. Nesse momento, eles colocaram a necessidade da gente pagar pelo empréstimo. E aí, o Jorge Salgado era contrário a gastar esse dinheiro, a essa contratação, porque achava que era um tempo muito curto. E eu é quem disse que não, que essa era uma responsabilidade minha, a gente tem uma luta pela permanência na Série A, e que eu não iria medir esforços para que a gente tivesse uma equipe com mais opções e com maior capacidade de sair dessa situação. Então, fui eu quem banquei a contratação. E, obviamente, assim como o Pássaro, quem contratou fui eu. Mas sempre conversando, na hora de escolher o treinador, na hora de escolher o novo executivo. Eu fiz questão de conversar com o Jorge porque essas pessoas ficariam sob a minha direção por 45 dias, talvez, e depois, durante dois, três anos, sob a gestão dele. Não era, a meu ver, também honesto, trazer alguém que, lá na frente, não fosse do agrado dele. Mas as decisões são minhas, assim como a decisão de trazer o Benítez agora, mesmo o Jorge achando que não era necessário. Por quê? Porque essa é uma responsabilidade minha. Se o Vasco cai, vai pra minha conta. E eu não abro mão de tomar as decisões. A partir do momento que ele assumir, tudo bem. Mas até a posse, as decisões são minhas, até porque, diante do cenário que nós temos hoje, a gente não sabe quem vai assumir. Então, eu não posso abrir mão de tomar as decisões. Mais uma vez: o meu mandato só termina na primeira semana da segunda quinzena de janeiro. Até lá, eu sou o presidente e as decisões são minhas.”

Assista ao trecho:

Fonte: NETVASCO (texto), Youtube Atenção Vascaínos (vídeo)

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠