Ex-lateral Ramon revela como tomou decisão de se aposentar e revela temer depressão

136 jogos e duas passagens. Foi com a camisa do Vasco que o lateral-esquerdo Ramon escolheu se aposentar. No entanto, a escolha, em partes, não foi parte de um planejamento pessoal. O agora ex-jogador viveu um drama e, por conta de seguidas lesões no joelho, resolveu encerrar a carreira.

Em entrevista ao canal Pilhado, Ramon abriu o jogou sobre os detalhes que o fizeram optar pelo fim da carreira.

“Eu tomei a decisão de parar, não foi agora. Foi o seguinte: em março, fiz a última artroscopia. Conversei com a minha esposa. Achei que tivesse soltado um pedacinho menisco, por isso que meu joelho inchava. Abri, fiz a artroscopia, não era. Era uma inflamação normal. Primeira pergunta que fiz para o doutor que operei: ‘Doutor, vou voltar a jogar bola?’. Ele respondeu: ‘Seu joelho não está pior que o de alguém que não jogou bola, nem pior. Estou te recuperando para a sua vida’. Eu senti, no fundo (que não iria voltar)’, começou por afirmar o atleta, antes de revelar que não conseguia mais render nos treinamentos e que os jogadores o tratavam de forma direfente durante as atividades.

“Eu não conseguia. Sendo bem sincero, nos últimos meses agora, eu era meio café com leite no treino. Eu dominava, os caras ficavam com receio de chegar. Isso me irritava, eu não conseguia botar a intensidade que eu sempre coloquei. Isso me deixava mais p*&% ainda. Era tratado como café com leite. Minha cabeça mandava eu fazer alguma coisa e eu não conseguia. Foi muito complicado. Em outubro, falei com a minha esposa: acabou para mim”.

Com todo o drama vivido, Ramon revelou que em alguns momentos chegou a ir às lágrimas por não poder render o que gostaria com a camisa do Gigante da Colina.

“Pedi folga em um final de semana e viajei para Itaipava. Voltei de lá na segunda-feira de manhã, tinha treino à tarde, cheguei mais cedo em São Januário e fiquei pedalando. Pedalando, meu joelho estava estranho, foi dando uma angústia dentro de mim. Comecei a chorar. Não tinha quase ninguém lá”.

Agora aposentado, Ramon contou que gosta de manter os exercícios e treinos da época de jogador como forma de passar o tempo. No entanto, vai além do físico. Quando atuava pelo Besiktas, o lateral sofreu com a depressão e diz que a doença ainda o preocupa.

“Se eu te falar que não me preocupo ainda com isso, vou estar mentindo. Aí que está eu sair para treinar, ocupar minha mente com o que gosto de fazer. Estou há dois anos tomando porrada, minha e de fora. Mexe muito. Primeira preocupação: janeiro não tem salário. Segunda: o que vou fazer? Podem questionar que eu ganhei dinheiro com a bola, mas não estou rico para a vida. Estou longe disso. Tenho uma filha, vou ter mais um ou dois com a Marina. Uma das maiores preocupações da minha esposa é com isso. De eu começar uma terapia, não ficar parado dentro de casa, porque eu sou muito ativo. Porque tive depressão, vem umas ideias que, caraca, só comigo acontece. Mas a ficha ainda não caiu, relutei para sair do grupo do Vasco, porque dá saudade. Vai dar muita saudade”.

Ao todo, Ramon teve duas passagens pelo Vasco. A primeira, entre 2009 e 2011, quando conquistou a Série B e a Copa do Brasil. A segunda, entre 2017 e 2018, quando conseguiu a classificação para a Conmebol Libertadores.

Revelado pelo Internacional, Ramon também teve passagens, no Brasil, por Corinthians e Flamengo. Na Europa, defendeu as cores dos turcos Besiktas e Antalyaspor.

Fonte: ESPN.com.br

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠