Em 2013, Vasco também entrou com pedido no STJD

Rio – O pedido do Vasco para anulação de uma partida no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) não é o primeiro movimento feito pelo clube enquanto está envolvido com o rebaixamento. Se no Campeonato Brasileiro de 2020 o departamento jurídico cruzmaltino entrou a duas rodadas do fim, em 2013 a queda já estava sacramentada.

Naquela ocasião, o Vasco tentou ganhar os três pontos da derrota por 5 a 1 para o Athletico-PR, na Arena Joinville. A partida ficou marcada por uma briga generalizada entre as duas torcidas na arquibancada, o que paralisou o cronometro do árbitro por mais de uma hora.

Ao todo, foram 73 minutos até o duelo reiniciar. Por causa disso, o Vasco entrou no STJD alegando que o Regulamento Geral de Competições não foi cumprido. Pelo artigo 21, o tempo máximo de paralisação é de uma hora (30 minutos de prazo, prorrogáveis por mais 30). O Cruzmaltino também alegou falta de segurança para o retorno da partida e culpou o Athletico-PR pela confusão.

Entretanto, o STJD não aceitou o pedido vascaíno e manteve a derrota, o que sacramentou o rebaixamento do clube para a Série B em 2014.

Desta vez, o Vasco tenta a anulação do jogo contra o Internacional, para jogar novamente contra o adversário. O problema deveu-se à falha do VAR, que não pôde utilizar a linhas de impedimento para revisar o lance do primeiro gol colorado, de Rodrigo Dourado, supostamente em posição irregular.

Com o pedido do Vasco em mãos, o presidente do STJD, Otávio Noronha, pode indeferir ou protocolar a ação. Caso o processo avance, a CBF fica impedida de homologar o resultado do jogo e, consequentemente, e os três pontos do Internacional. Com isso, o líder do Brasileiro, que soma 69, voltaria para a casa dos 66 e seria ultrapassado pelo Flamengo, com 68, adversário de domingo, às 16h, no Maracanã.

Fonte: O Dia

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠