Grupos políticos divulgam notas sobre o rebaixamento do Vasco

Confraria Vascaína

O quarto rebaixamento da história do Vasco não deve ser encarado pelo vascaíno apenas com o legítimo sentimento de tristeza e revolta. O momento é de implementação de uma gestão capaz de se embrenhar em São Januário, em busca de todos os drenos de dinheiro do clube, todas negociatas escusas e toda a mais profunda incompetência que marcaram o clube ao longo das últimas décadas.

A Confraria, solidamente posicionada na base de apoio à gestão de Jorge Salgado, espera medidas corajosas e duras para promover uma revolução no clube, que inclua a responsabilização administrativa e jurídica de todos aqueles que lesaram o Vasco.

A Confraria se manterá firme no apoio a reformas que derrubem as estruturas atuais, e ergam um clube renovado. O único caminho que vislumbramos é o de uma ruptura completa, abrangente e profunda nas práticas que nos arrastaram para este trágico momento. Não será fácil, mas é imprescindível.

Hoje o dia é de tristeza. Amanhã, de luta. E, em três anos, de um clube revolucionado.

Só assim seremos capazes de apagar de nossa história este momento tão sombrio pelo qual os vascaínos vem passando.

Fonte: Facebook Confraria Vascaína

semprevascooficial

Nota oficial do grupo Sempre Vasco.
Arraste para o lado e leia na íntegra.

Fonte: Instagram Sempre Vasco

Tudo era evitável

Estamos em junho de 2008. Enquanto o Vasco disputa uma vaga para a final da Copa do Brasil contra o Sport-PE, em São Januário, que tinha lotação de 25.000 lugares fora gratuidades, na época, o candidato a presidente do Vasco Roberto Dinamite comenta a outra semifinal, Corinthians x Botafogo, pela TV Bandeirantes.

Em São Januário, com 10 em campo, fruto de uma expulsão injusta – quando o verdadeiro faltoso no lance não teve contra si marcada a infração e sim a do zagueiro vascaíno logo em seguida – com um gol mal anulado, legal, marcado por Leandro Amaral no ínício do 2º tempo, o Vasco “caía” de pé, nos pênaltis, após o tiro por cima de Edmundo, que fora herói pouco antes, ao marcar o 2 x 0, placar idêntico ao obtido pelo Sport, em Recife.

Mas, no Campeonato Brasileiro, o Vasco, que ficara a um ponto da Libertadores em 2006 e 19 das 38 rodadas na zona da Libertadores em 2007, já atuara com 10 reservas frente ao Botafogo no Engenhão (2ª rodada, 1 x 1), sofrendo o gol de empate num pênalti duvidoso e chegava ao final de junho na 9ª colocação, 8º, empatado em número de pontos, quando o MUV adentou no Vasco para criar, segundo os próprios “um Novo Vasco”.

Há 108 rodadas o Vasco não frequentava o Z4, até 30/06/2008, em 29 delas ficara na zona da Libertadores, em 40 delas terminara em sexto, em 57 delas, entre os 8 primeiros, 67 delas entre os 10 primeiros.

Nos Campeonatos Brasileiros de 2006, 2007 e 2008 (até a 8ª rodada), em 84 rodadas o Vasco ficou fora da primeira parte da tabela (10 primeiros) 17 vezes, na posição limite, último clube antes do Z4, apenas 4 vezes, todas em 2006.

Após a 11ª rodada do turno do Campeonato Brasileiro de 2006, o Vasco ficou abaixo da 12ª colocação apenas duas vezes (36ª rodada de 2007 – Décimo Terceiro; 1ª rodada de 2008 – Décimo Quarto).

O rebaixamento virara uma fábula, na prática, em São Januário. Jamais no returno o clube havia ficado uma única rodada na zona de rebaixamento. Foram 5 ao todo, entre 2004 e 2005 (todas no turno e contando os jogos anulados depois novamente jogados em 2005, considerando suas respectivas rodadas, caso contrário seriam 11 em 2005 e 3 em 2004).

O Fluminense esteve 14 rodadas na zona de rebaixamento, cinco delas exatamente nas oito primeiras rodadas de 2008.

Quanto aos demais carioca, o Botafogo, que não disputou o Campeonato Brasileiro na Série A em 2003, passou 40 rodadas no Z4 e o Flamengo, entre 2004 e 2007 ficou 46 rodadas no Z4.

Como se percebe, em termos de Campeonato Brasileiro a situação de risco concreto para rebaixamento esteve, ao longo da década, próxima de Flamengo e Botafogo.

O rubro-negro escapara, ainda, do descenso, na última rodada de 2001 e disputara com o Botafogo, que caiu em 2002, as últimas posições daquele certame. Embora o Vasco não tenha estado em rodada alguma na zona de rebaixamento em 2001 e 2002, poupamos aqui mais outras rodadas para a conta da dupla Flamengo e Botafogo nesses dois anos.

Lembremo-nos, também, que o Fluminense, além do sufoco passado em 2003, de forma isolada entre os cariocas (só caíam duas equipes), já havia caído para as Séries B e C quase no final da década anterior.

Fora de campo o Vasco mantinha salários em dia, estava na Timemania, assinara novo Ato Trabalhista (o primeiro fora em 2004), em dezembro de 2007 (em condições de pagamento muito melhores que outros cariocas inclusos no ato), cumpria acordos extrajudiciais e gastava, por mês, entre despesas fixas e variáveis cerca de 3 a 3,5 milhões de reais (após o período de 6 anos e 5 meses do MUV o gasto passou a girar entre 10 e 12 milhões mês).

O Vasco permanecia no primeiro grupo entre os recebedores de cotas de TV em nível estadual e nacional. No Clube dos Treze, que recebia diretamente as verbas da Globo, seu vice-presidente era o mesmo que presidia o Vasco. O clube não dependia da Globo para pegar qualquer antecipação de cota e sim do próprio Clube dos 13. Um contrato, no 1º semestre de 2008, foi assinado até 2011, no qual o Vasco se mantinha no primeiro grupo entre os que mais recebiam cotas (em todas as plataformas). Em junho de 2008 as antecipações do contrato não chegavam a 8 meses.

O Vasco possuía uma empresa de material esportivo, considerada de primeira linha (Reebok), que vestia o clube, do futebol ao remo, um patrocínio fora obtido em fevereiro de 2008, em números atualizados superior ao dobro daquele que foi apresentado pela gestão atual em 2019, por um de seus visionários, que trabalhou com Campello e trabalha agora com os usurpadores da hora.

E, como poderíamos esquecer? Havia um contrato com o Habib`s, de prestação de serviços, que traria ao Vasco em obras 1,1 milhão de reais, 6% de faturamento bruto e pouco mais de 25 mil reais mês. Acharam pouco? Agora perguntem quanto os escritórios de advocacia cobraram para defender o clube em rescisão unilateral (com quase 100% de probabilidade de o Vasco perder a causa) proposta pelo Vasco para rescindir o contrato na gestão seguinte. Perguntem se o valor foi pago até hoje. Perguntem por qual razão se deu a rescisão à época, com tanta sofreguidão se o parceiro disse aceitar que sua logomarca saísse da manga e fosse para qualquer outro lugar do uniforme (calção, por exemplo). Aliás, qual foi o outro patrocínio que o Vasco teve no calção até hoje mesmo? De la´para cá jamais o clube celebrou outro contrato de prestação de serviços com qualquer loja de fast food para atender torcedores e associados do clube, para além do concessionário que lá está, ao qual o Vasco deve muito, desde a gestão Dinamite.

A base do Vasco trazia para aproveitamento, já em 2008, Alex Teixeira, Souza e Alan Kardec, com atletas entre 80 e 100% do Vasco em termos de direitos econômicos. O clube recusara propostas por Morais (5,5 milhões de euros em janeiro de 2008 – Dínamo Zagreb-CRO), Alan Kardec (3,7 milhões de euros por 80% dos direitos econômicos, oferecidos em fevereiro de 2008, proposta do PSG-FRA), Alex Teixeira (4 milhões de euros por 50 % em dezembro de 2007 – proposta do Chelsea-ING).

Sob o risco de perder, de graça, Phillippe Coutinho para o Real Madrid-ESP, que o aliciou, ofereceu emprego para seu pai e pretendia levá-lo para a Espanha sem qualquer compensação ao Vasco, quando o jogador ainda tinha 15 anos, o Vasco convenceu a família e o atleta a assinar seu primeiro contrato profissional com o clube, acordando em negociá-lo, logo em seguida, com a Internazionale-ITA, por 3,8 milhões de euros, mantendo-se Coutinho no Vasco até junho de 2010, com salários pagos pelo clube italiano. Phillippe Coutinho daria ao Vasco os maiores ganhos por anos no quesito mecanismo de solidariedade e o dinheiro da venda ficou na íntegra para a gestão sucessora.

Além de pontear no Remo e ser o maior Campeão Carioca da história no esporte (primazia que o Vasco perdeu para o Flamengo na era MUV, que não acaba), o clube ainda disputava vários outros esportes olímpicos/panamericanos, tinha atletas paralímpícos vinculados a ele, mantinha sob suas expensas o Colégio Vasco da Gama, criado em 2004, possuía três sedes próprias, utilizava uma alugada (na Barra) e brigava na Justiça para continuar construindo no CT de Caxias, onde as obras começaram em 2005 e tiveram que parar por ações de políticos e afins.

E as penhoras? Essas que inviabilizam o clube? Pegando os borderôs dos jogos nos meses de maio e junho de 2008 é visto que não aparecia nenhuma neles.

Salários em dia? Entre meados de 2004 até junho de 2008 quase que 100% do período o Vasco pagou em dia, no acordo feito de que os pagamentos seriam realizados até o dia 20 do mês subsequente (acordo, que, por sinal, o MUV manteve, em tese, mas não cumpriu na prática, desde que assumiu, embora o criticasse quando oposição).

As críticas gerais eram: o Vasco não ganha um título há cinco anos (chegara à final do Estadual de 2004 e da Copa do Brasil de 2006, mas perdera as duas decisões), o Vasco é uma ditadura, os elencos são medíocres, a imprensa não gosta do Vasco por causa do Eurico Miranda, os balanços são obras de ficção, a estátua do Romário não deveria estar lá, o Vasco precisa se profissionalizar, o Eurico é truculento, chato, feio e mauzão.

Essa turma, que usa chats e mídias sociais para massificar o discursinho de ódio, de distorção, de falsa moralidade, os cínicos, os hipócritas, os desonestos, os despeitados, os invejosos, a escória que motivou a que se fizesse o que foi feito contra o Vasco, por 9 dos útimos 12 anos – rebaixado três vezes, rebaixado nas cotas de TV, dívida triplicada, 4º em títulos no Rio, entre os quatro grandes, nesse período, freguês de caderno de Flamengo e Botafogo, derrotado em quase 100% das decisões contra os outros três clubes do Rio, longe de disputar outros esportes, antes vitoriosos – é, por extensão, protagonista disso tudo.

Golpes em cima de golpes institucionais contra o clube foram dados, culminando com este último, inominável, por sinal, desde a busca na Justiça para melar um pleito que perdiam, até fugas e manobras das mais vexatórias para fazer valer uma eleição antiestatutária e refutada tanto pelo quadro social, quanto pela torcida do Vasco, excluindo a ínfima parte dela, comprometida com o estado de coisas atual, sabe-se lá por que motivo.

Entre 2015 e 2017 o Vasco foi o clube que mais obteve títulos no futebol profissional, entre os grandes do Rio, o que mais obteve taças. Botafogo, Flamengo e Fluminense foram fregueses, o Vasco foi deixado na Taça Libertadores da América de 2018, bateu seu recorde pessoal quanto ao número de jogos oficiais invictos, ganhou um Campeonato Carioca, que não conquistava há 11 anos, venceu o Botafogo numa decisão, o que não ocorria há 50 anos, eliminou, de foram inédita, três vezes seguidas o Flamengo de campeonatos nos quais os clubes se enfrentaram em mata-mata, um Bicampeonato, que não conquistava há 23 anos, um Campeonato Carioca Invicto que não obtinha há 24 anos, igualou no Campeonato Carioca de 2016 a campanha feita pelo Expresso da Vitória no Campeonato Carioca de 1945 e dentre todos os títulos invictos cariocas que obteve foi em 2016 o ano em que o Vasco mais disputou clássicos numa mesma competição. O recorde pessoal de jogos oficiais invictos bateu no quesito os recordes pessoais, também, de Atlético-MG, Flamengo, Palmeiras e Internacional-RS e igualou as marcas de Corinthians-SP e Cruzeiro-MG.

O Vasco foi Campeão na base (Sub 17, Sub 20), Campeão no Basquete (Liga Ouro, Copa Avianca, Torneio Quadrangular do Ceará, derrotando o Flamengo), voltou a vencer regata no Remo, teve o único atleta de um clube do Rio medalhista de ouro no futebol, construiu CAPRRES, reconstruiu seu ginásio (com parte da verba vinda da torcida), seu Parque Aquático, a Pousada do Almirante para atletas de base, campo anexo, criou o programa Sócio-Torcedor, manteve certidões positivas com efeito de negativas federais, entre dezembro de 2014 a 30/09/2017, fez amior venda de um atleta no século (Douglas Luiz) e deixou outra transação (maior ainda) para a direção seguinte fazê-la menos de três meses após assumir (falamos de Paulinho), pagou salários em dia até agosto de 2017, além de acertar os que o MUV deixou, bem como inúmeras dívidas, totalizando mais de 200 milhões de pagamentos concernentes a ela. E caiu de divisão em 2015 porque foi vergonhosamente roubado na competição, com 14 pontos tomados por arbitragens, várias delas com mais de um erro capital que prejudicaram o clube em jogos nos quais o Vasco não perdeu, mas foi impedido de ganhar, o que, alías, a oposição da época confessaria que ocorrera, um ano depois, indagando como o Vasco teria sido roubado se o respeito havia voltado.

O roubo, que indignava vascaínos de outrora, naquele período, em tempos idos, trazia gáudio à oposição entre 2015 a 2017 (ou ao menos não revoltava), a mesma oposição que votou contra uma moção de louvor pela classificação do Vasco à Taça Libertadores em 2017, afinal era bom ver o Vasco cair, profundamente roubado, porque já o haviam arremessado na segunda divisão duas vezes (terceira agora), por completa incompetência, desdém, desamor ao clube, negligência, omissão, ou pouco caso.

Os torcedores vascaínos de boa fé, os que sabem estarmos vivendo mais um golpe contra o estatuto no clube, os que sentem realmente algo pelo Vasco, estão enojados de vocês, golpistas, irresponsáveis, fracos, frouxos na defesa do clube, estelionatários eleitorais, pusilânimes. O que vocês fizeram com o Vasco é inaceitável e voltam por vias tortas para com transição, conluio, falsas promessas, rebaixarem o Vasco novamente, contando com quem fingiram regurgitar para atrelá-lo ao golpe sórdido, dado contra o Vasco e contra os vascaínos, que, independentemente de vitórias obtidas até aqui na Justiça, os tem como ilegítimos, como fujões, como maus perdedores, por mais cambalhotas que queiram dar.

Casaca!

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠