Siston, Carlos Brazil e Laranjeira comentam temporada vitoriosa do Vasco

O ano de 2020 entrou para a história das divisões de base do Vasco da Gama. Apesar de poucas competições devido a pandemia de Covid-19, a equipe Sub-20 foi a única a não ter competições canceladas. Apesar do calendário enxuto, com jogos em dias seguidos por diferentes competições, o Gigante da Colina venceu o Campeonato Carioca, sendo campeão invicto da Taça Guanabara e conquistou os títulos inéditos da Copa do Brasil e da Supercopa do Brasil, garantindo vaga na Copa Libertadores da América Sub-20 de 2021.

A temporada que terminou no último domingo (21/02), em Cariacica-ES, começou em março de 2020, no Estádio Moça Bonita. O Vasco venceu o Boavista na estreia da Taça Guanabara por 2 a 0, gols de MT e Arthur. Apenas esse jogo aconteceu antes de pausa devido a pandemia do Covid-19. Somente em setembro, com protocolos de saúde estabelecidos, o campeonato retornou. O Vasco teve uma sequência avassaladora, se classificando na primeira colocação com seis vitórias e um empate. Ganhou da Cabofriense nas quartas de final, passou pelo Bangu na semifinal e se sagrou campeão após vencer os dois jogos decisivos contra o Madureira.

Campeonato Carioca, Brasileiro e Copa do Brasil aconteciam ao mesmo tempo, com a vaga garantida na final do Carioca, a equipe treinada até então por Alexandre Grasseli pôde dar rodagem aos meninos e focar na Copa do Brasil. Como Grasseli integrou a comissão técnica dos profissionais, seu auxiliar, Diogo Siston assumiu a equipe.

– No início do meu trabalho com o grupo, tivemos um momento que ou perdíamos ou a partida terminava empatada. Porém em nenhum momento deixamos de acreditar no trabalho, creio que essa conquista de hoje foi a coroação de um trabalho sólido que vem sendo implementado aqui no Vasco.

Na Copa do Brasil, a campanha começou contra o Trem-AP, vitória por 2 a 0 e classificação para enfrentar o Moto Club do Maranhão nas oitavas de final. Dessa vez, jogos de ida e volta: empate por 2 a 2 no Maranhão e vitória por 4 a 1 no Nivaldo Pereira. O Avaí foi o adversário das quartas de final e o Vasco venceu os dois jogos, 1 a 0 na Ressacada e 3 a 0 no Nivaldo Pereira. Os jogos das semifinais foram intercalados com a final do Campeonato Carioca. Na semifinal, classificação heroica e homenagens, o Vasco empatou com o Atlético-MG por 1 a 1 no primeiro jogo e venceu o jogo de volta por 1 a 0 em São Januário, uma vitória para homenagear o roupeiro Henrique, que faleceu horas antes do jogo em decorrência de complicações da Covid-19. A grande decisão foi contra o Bahia, na ida, em Pituaçu, Vasco conseguiu uma virada e venceu por 2 a 1. No jogo de volta, em São Januário, emoção até o fim. Nos acréscimos, Caio Eduardo fez o gol do inédito título que coroou um trabalho longo de reestruturação da base, organizado por Carlos Brazil.

– É histórico! Um prêmio para os meninos, para todos da comissão técnica que trabalham diariamente, é um momento histórico para o clube. Esse título serviu também para amadurecer ainda mais os atletas e torço para que eles possam chegar no profissional preparados para os novos desafios – disse Carlos Brazil.

Se a Copa do Brasil coroou todo o trabalho, o título da Supercopa fechou com chave de ouro o ciclo dos atletas nascidos em 2000. Laranjeira, João Pedro e Caio Lopes fizeram o último jogo pela equipe Sub-20. Os atletas estouraram a idade com o fim de 2020, mas puderam jogar a Supercopa já que o campeonato é referente a esse ano.

– Começamos a decisão muito focados, vinha dando quase tudo certo para nós. Porém bastaram dois descuidos e a equipe deles, que é muito qualificada conseguiu ressurgir no jogo. Mas a gente merece todas essas conquistas, por tudo que trabalhamos e por todas as dificuldades que passamos – disse Laranjeira.

Fonte: Site oficial do Vasco

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠