Segue invicto: 11 jogos sem derrota

Marcelo Cabo estreou em 13 de março deste ano, onde acumula, até hoje, onze partidas. Dentre essas, tivemos 5 vitórias, 6 empates e nenhuma derrota, o que dá 64% de aproveitamento.

Após vir de duas derrotas por um gol de diferença, para Portuguesa e Volta Redonda, o treinador estreou contra o Nova Iguaçu, fora de casa, e arrancou um empate de 2 a 2. Apesar da pressão pela vitória, aquele empate não foi de todo ruim. No jogo seguinte, no clássico contra o Botafogo, testando daquela vez o sistema de 4-2-3-1, empatou com um gol para cada lado.

Sua primeira vitória, foi 3 a 1 em cima do Macaé, em casa, gols de Pec, Marquinhos Gabriel e Galarza, respectivamente. Ainda em São Januário, enfrentou o Madureira, onde testou o 4-3-3, e empatou por 2 a 2. Novamente utilizando o 4-2-3-1, jogou contra o Fluminense e novamente o placar foi um gol para cada lado.

Após essa partida, engatou em três boas vitórias.

O 4 a 2 no Bangu, em casa, ajudou na confiança para os próximos jogos que seriam difíceis. Com bons dados da partida, como 55% de posse de bola, 14 finalizações e 7 delas ao gol, o Vasco ficou confiante para o jogo contra o Tombense, pela Copa do Brasil.

Em Minas Gerais, o 4-2-3-1 funcionou e garantiu a vaga na próxima fase. O 2 a 1, gols de Pec e Andrey, com 47% de posse de bola e 11 finalizações deu a vaga e a confiança para enfrentar o Flamengo na semana seguinte.

O mesmo esquema tático da última partida funcionou novamente. Surpreendeu não só pelo resultado favorável, 3 a 1, mas também por outras razões. Além de quebrar o jejum de 17 jogos sem ganhar o Clássico dos Milhões, Léo Matos foi o melhor em campo, o Cano fez o seu primeiro gol contra os rivais, e o Lucão se destacou positivamente naquela noite.

Apesar do “tropeço”, no empate com o Boa Vista por 2 a 2, no último jogo pela Taça Guanabara, apesar de não valer – teoricamente – mais nada, teve uma boa vitória, de virada, em cima do Resende, fora de casa, novamente 3 a 1.

Retrospectiva

Ano passado, o Vasco ficou 7 jogos sem perder, entre junho e agosto. Em 2018, 6 partidas sem derrotas. A última sequência tão expressiva quanto a do Cabo foi em 2017, quando Zé Ricardo também ficou 11 jogos invictos, entre setembro e novembro.

Será que o Cabo consegue quebrar esse recorde?

Por: Lis Dias – Vascaínos Unidos

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠