Ricardo Graça volta do Japão com a missão de substituir Leandro Castan

Do Japão a Belém com uma rápida escala no Rio de Janeiro e uma responsabilidade a mais na bagagem. Medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos de Tóquio, o zagueiro Ricardo Graça retorna ao Vasco hoje (13), contra o Remo, no Baenão, tendo a missão de substituir Leandro Castan, em duelo considerado crucial para o time se manter na briga junto ao primeiro pelotão da Série B do Campeonato Brasileiro.

Cria das categorias de base do Cruz-Maltino, Graça, assim como o goleiro Lucão, esteve no grupo que chegou ao lugar mais alto do pódio. A conquista, inclusive, foi bastante festejada pelo clube. Agora, ele surge como solução para o técnico Lisca frente à ausência do experiente e capitão Castan, com um edema muscular na coxa direita e ainda sem previsão de retorno.

“Ricardo a gente solicitou que se apresente com o grupo. Pela lesão do Castan, seria importante. Eles solicitaram pequeno período de descanso, mas já tínhamos colocado que, se fosse necessário, íamos chamar para quarta-feira. Espero que esteja à disposição, precisamos de todo mundo. Ricardo é um jogador que vem em um momento bem positivo mentalmente, campeão olímpico, valorizou demais essa convocação. É muito importante para o Vasco. Agora, está na hora de voltar pra casa e mostrar tudo que sabe aqui no nosso trabalho”, disse Lisca, após o triunfo sobre o Vila Nova, na última terça-feira (10).

O confronto com o Remo pode representar ainda uma virada de chave para o camisa 36. Apontado como um nome promissor, Ricardo Graça iniciou a temporada como titular, mas oscilou e perdeu um pouco de espaço sob o comando de Marcelo Cabo. A última partida pelo Vasco foi na derrota para o Avaí, há quase dois meses.

Quando Lisca foi anunciado como novo técnico cruz-maltino, o zagueiro já estava com a delegação olímpica. Esta, portanto, será a primeira oportunidade no ciclo que se iniciou recentemente em São Januário.

Passo mais próximo do “espelho”

Integrante de destaque da “geração 97”, Ricardo Graça se tornou quase um pupilo do zagueiro Luan, outro cria do Vasco e que hoje está no Palmeiras, e com uma trajetória que guarda algumas semelhanças. Em Tóquio, inclusive, o ouro olímpico deixou as histórias deles mais próximas.

Na Rio-2016, Luan, ainda como jogador do clube de São Januário, foi convocado para as Olimpíadas e esteve no elenco que conquistou o até então inédito lugar mais alto do pódio. Luan foi vendido ao Palmeiras em abril de 2017, em uma negociação que envolveu, à época, R$ 10 milhões.

Cano de volta

Para o jogo de logo mais, o Vasco contará com o retorno do atacante Germán Cano, que cumpriu suspensão contra o Vila Nova. O argentino aposta em um duelo aguerrido e pede que o time seja efetivo para conquistar os três pontos.

“Vai ser uma partida muito aguerrida. É um jogo importante para nós. Sabemos que não podemos tomar gols, e para isso precisamos nos manter concentrados. Além disso, quando tivermos as oportunidades, temos que procurar fazer. Conquistar os três pontos como visitante seria incrível para nossa caminhada”, disse o camisa 14, em entrevista ao site oficial do clube.

A preparação para a partida, inclusive, sofreu uma alteração. Devido a uma forte chuva em Belém no início da tarde de ontem (12), o treinamento foi transferido do Estádio Banpará Curuzu, casa do Paysandu, para o hotel onde o Cruz-Maltino está hospedado na capital paraense.

Rostos conhecidos

Adversário de logo mais, o Remo conta com dois volantes que tiveram passagem por São Januário. Lucas, que esteve no Vasco em 2015 e fez parte do elenco que conquistou o Carioca daquele ano, e Marcos Júnior, que defendeu o Cruz-Maltino entre 2019 e 2020 — este último não poderá atuar por uma questão contratual.

Fonte: UOL

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠