Antes contestados, jogadores ganham protagonismo com Fernando Diniz

Nenê é o expoente do bom momento do Vasco, mas a melhora de rendimento de jogadores que andavam em baixa vem colaborando com o desempenho do time. Desde a chegada de Fernando Diniz, nomes contestados e outros que pouco jogavam ganharam espaço e elogios. Os casos de Marquinhos Gabriel, Morato e Ricardo Graça são emblemáticos.

Marquinhos Gabriel era, há algumas semanas, o jogador mais criticado nas redes sociais. Contratado para ser o principal articulador do elenco, carregou nas costas o peso da falta de criatividade ofensiva da equipe ao longo da temporada. Com as chegadas de Nenê e Fernando Diniz, foi recuado para ajudar na saída de bola e se encontrou. Tem brilhado? Ainda não é o caso. Mas vem sendo um jogador importante na formação da equipe e foi o único do meio para frente que jogou 90 minutos em todos os jogos sob o comando de Diniz. Contra o Goiás, foi dele o passe para o cruzamento de Riquelme, no gol de Morato.

– É um jogador que já tinha tentando levar para trabalhar comigo duas vezes. Gosto muito. Jogador moderno, consegue jogar em várias posições. Tem uma técnica requintada. O torcedor tem o direito de fazer críticas. O que não pode é esperar que o camisa 10 resolva todos problemas de criação. O coletivo tem que aparecer para que os grandes jogadores apareçam. E o Marquinhos é um jogador coletivo. Não é um jogador de sair driblando três, quatro caras – elogiou Diniz, para completar:

– Da minha maneira de ver o jogo, ele se encaixa quase que de forma perfeita. Comigo, ele deve ser o jogador que mais correu em todos os jogos, que mais pegou na bola, com mais passes e precisão. Ele também chega para finalizar e pifar os jogadores. O Vasco está muito bem servido. Fiquei muito feliz de saber que ele estava aqui quando fui contratado.

Morato ganha protagonismo

Morato é outro que andava em baixa. Após um bom início no Campeonato Carioca, caiu de rendimento na Série B. Não vinha, por exemplo, sendo titular com regularidade com Lisca. Com Diniz, no entanto, passou a ser peça importante no lado direito do ataque e foi destaque nos jogos contra Cruzeiro e Goiás, dando assistência e fazendo gol, respectivamente.

Na semana passada, Morato falou sobre a importância de Diniz para seu crescimento e destacou a evolução coletiva do Vasco:

– O fato é que o coletivo não estava funcionando. Entendo que não funcionou como funciona agora. Eu acredito nisso, meus companheiros também. Para o Vasco vencer, o coletivo terá de se sobressair. Acho que foi a minha melhor partida pelo Vasco (contra o Cruzeiro).

– É um jogo coletivo e quando isso é positivo, com certeza, um jogador vai se destacar. O que mais importa é o coletivo, e eu faço parte disso. Não vou jogar contra 11 e sair driblando. Agora, quando o coletivo funciona, dá certo. Foi comigo, foi com o Marquinhos Gabriel, com o Cano.

Ricardo ressurge na ausência de Miranda

Titular com Fernando Diniz em todos os jogos, Ricardo Graça é outro que recuperou espaço com a troca de comissão técnica. O zagueiro, que fez apenas dois jogos sob o comando de Lisca, ganhou chance por conta da suspensão por doping de Miranda e se firmou ao lado de Castan.

Ricardo tem feito bons jogos e foi um dos destaques da vitória sobre o Goiás. Conseguiu, por exemplo, um corte providencial em um ataque do time goiano, quando o jogo estava 0 a 0. Até então extremamente vulnerável, a defesa vascaína não sofre gol há dois jogos e vem recebendo elogios.

Fonte: ge

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠