Vasco quer mandar jogos no Maracanã para aumentar receita de 2022

O aumento de receita que o Vasco planeja em bilheteria para 2022 passa pelo Maracanã. No orçamento montado pelo clube, há dois cenários. E o de maior arrecadação prevê a realização de pelo menos 15 partidas no principal estádio do Brasil, independentemente de como ficar a licitação prevista para o ano que vem.

Pela linha desse plano de receita, o Vasco faria no Maracanã 12 dos 19 jogos que terá como mandante na Série B, além de duas partidas pelo Carioca e uma pela Copa do Brasil.

Considerando as estimativas de custos — como R$ 485 mil de aluguel —, preço de ingressos e de presença de público pagante (de 30% a 50% da capacidade do estádio), o cálculo da diretoria é que a temporada tenha resultado de R$ 24,5 milhões na chamada receita de matchday (dia de jogo). Desses, R$ 17 milhões viriam do Brasileiro, R$ 1,6 milhão da Copa do Brasil e R$ 900 mil do Carioca.

Ainda nessa hipótese, o cenário financeiramente pode favorecer se o clube conseguir reduzir o valor do aluguel do estádio, houver uma boa fase que impulsione a presença de público, consequentemente possibilitando um valor maior de ingresso.

“A gente adotou o Maracanã [no planejamento orçamentário], é importante estrategicamente a nossa volta para lá”, disse o vice de finanças do Vasco, Adriano Mendes, em apresentação ao Conselho Deliberativo, na terça (28).

Manter a maioria dos jogos em São Januário foi o “cenário alternativo” montado pela diretoria. Ainda assim, seriam dois jogos da Série B no Maracanã — considerando um aluguel de R$ 500 mil por partida.

Nesse segundo quadro, a receita bruta de matchday ficaria em R$ 12,7 milhões, menor do que a de 2019, por exemplo, que fechou em R$ 16,1 milhões. Em 2020, por causa da pandemia, o Vasco arrecadou R$ 2,7 milhões em bilheteria. Em 2021, R$ 400 mil.

Para tentar reduzir a defasagem, o Vasco tem nessa segunda alternativa a ideia de vender três jogos do Carioca para outras praças — Brasília, Manaus e Cariacica.

O que a diretoria defende é que, apesar da distância do primeiro, com Maracanã, para o segundo, com a maioria dos jogos em São Januário, a diferença de lucro seria algo quase insignificante: de R$ 2 milhões para R$ 1,5 milhão.

“Quando você vê a despesa, você tem 22,6 milhões de despesa. O Maracanã é mais caro. Daria R$ 2 milhões de lucro. São Januário está com 1,5 milhão de lucro, que é quase isso. Então, é indiferente no resultado orçamentário uma premissa como outra. Não tem cálculo absurdo”, alegou Adriano Mendes.

O orçamento apresentado pelo Vasco estima uma receita bruta de R$ 178 milhões em 2022, considerando rubricas como direitos de transmissão (R$ 34 milhões), marketing (R$ 37 milhões) e transferências de jogadores (R$ 40,5 milhões, entre venda de direitos e mecanismo de solidariedade). Por conta de alguns erros no documento, o orçamento não foi votado. A maioria dos conselheiros votou para deixar a sessão permanentemente aberta. Em janeiro, com as correções a serem feitas pela direção, a proposta será apreciada.

Para o plano Maracanã ser colocado em prática, o Vasco precisaria chegar a um acordo com quem administra o estádio — hoje, Flamengo e Fluminense. O governo estadual já colocou em marcha o edital de licitação, que tem como uma das exigências para os candidatos apresentar um plano no qual o Maracanã receba no mínimo 70 jogos por ano. E é aí que o Vasco entende que pode se encaixar.

Enquanto a licitação não for concluída, a permissão de uso a Fla e Flu será renovada. Sobre o alto número de jogos, um problema apontado pelos gestores diz respeito ao gramado, que está passando por reforma.

Fonte: UOL

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠