Salgado diz que não abre mão de que o Vasco jogue no Maracanã: ‘Prioridade da SAF’

A poucas semanas de uma das votações mais importantes de sua história, o Vasco se prepara para um período de transição. Em vias de vender 70% da SAF para a 777 Partners, o clube trabalha para ter o contrato aprovado por conselheiros e sócios e já projeta os próximos passos ao lado do grupo americano. Entre eles, a participação no processo de licitação do Maracanã.

Em entrevista ao ge, o presidente Jorge Salgado ressaltou que a participação do Vasco no estádio é estratégica e prioridade do clube e da 777 Partners. O dirigente reforçou que a ideia é buscar um entendimento com Flamengo e Fluminense, apesar do desgaste na relação por conta dos últimos jogos no Maracanã. Caso não haja acordo, o Vasco terá o apoio do grupo americano para entrar forte no processo de licitação.

– Não abriremos mão de São Januário, porém o retorno do Vasco ao Maracanã é estratégico e será uma prioridade da SAF – disse Salgado ao ge.

Na entrevista, Jorge Salgado ainda falou como será o processo de transição no futebol, uma vez que que o clube vai transferir o comando e os ativos do departamento para a SAF imediatamente após a votação dos sócios, caso a venda seja aprovada. O dirigente ainda revelou que aguarda visita dos executivos da 777 em breve, projetou o investimento no futebol a curto prazo e comentou sobre o andamento do rito da SAF, entre outras coisas. Leia abaixo:

ge: A expectativa é que a AGE aconteça até o fim de julho. Como será o processo de transição no futebol? A 777 assume imediatamente após a votação, caso a venda seja aprovada?

Jorge Salgado: Sim. Uma vez a operação aprovada pela AGE, a Vasco SAF será constituída imediatamente e todos os ativos do futebol serão integralizados na nova empresa. A CBF inclusive já aprovou a transferência dos jogadores para a SAF com a Série B em andamento. Compartilhamos uma mesma visão de futuro e teremos um processo de transição organizado e tranquilo. A prioridade do futebol é garantir o acesso à Série A.

E nas demais áreas, como São Januário, sócio-torcedor, marketing… A transição também será imediata?

Para as demais áreas teremos um período de transição gradual até o final desse ano. Nesse período teremos serviços compartilhados entre o CRVG e a Vasco SAF em diversas áreas. A migração do programa de sócio-torcedor para a Vasco SAF vai se dar nos primeiros momentos. Para as outras áreas e a operação de São Januário seguiremos um planejamento acordado entre as partes que garanta que não haverá descontinuidade de nenhum serviço ou operação. O CRVG está sendo assessorado nesse processo pela EY (Ernst & Young).

Vasco e 777 já estão trabalhando no processo de transição no futebol? Será mantida a atual estrutura do futebol ao menos até o fim da Série B?

Desde a assinatura do memorando de entendimentos, em fevereiro passado, Vasco e 777 Partners estão trabalhando de forma coordenada no futebol. Com a conclusão das diligências e assinatura da proposta vinculante essa coordenação se estreitou. O Vasco segue tomando as decisões e informando à 777 para que eles estejam cientes de todos os passos. Devemos ter uma nova visita de executivos da 777 ainda esse mês para avançarmos nesse planejamento. Queremos garantir absoluta tranquilidade para que o departamento de futebol possa seguir com seu trabalho.

O contrato prevê a injeção de R$ 120 milhões no futebol ainda em 2022. A ideia é fazer um investimento pesado ainda nesta janela de transferências?

Evidentemente existe o desejo de investir para reforçar o elenco para garantir a volta do Vasco à Série A. Esse é o principal objetivo do ano. Mas é claro que o futebol não se faz apenas com contratação de novos jogadores. Temos um grupo e também toda uma estrutura para dar ao futebol as melhores condições de trabalho possível.

O clube está com pressa para aprovação por causa da janela de transferências?

O clube está trabalhando a janela de transferências independente da aprovação ou não da SAF junto aos sócios. Temos etapas a cumprir conforme estabelecido pelo Conselho Deliberativo. Estamos trabalhando com o zelo que um processo dessa envergadura exige. Estamos cumprindo o cronograma. A janela de transferências sempre esteve dentro de nosso planejamento.

Após a obrigação de investir R$ 700 milhões no futebol nos próximos três anos, quais garantias o Vasco tem de que a 777 continuará investindo forte no futebol?

A 777 Partners está montando uma estrutura forte de futebol no mundo todo. Investindo em clubes na Europa e tendo o Vasco como sua Flagship na América do Sul. A 777 compartilha da nossa ambição de recolocar o Vasco como protagonista no futebol brasileiro e sul-americano. Nossos objetivos de performance esportiva estão alinhados com os objetivos empresariais de nosso parceiro. Temos nos nossos contratos cláusulas e dispositivos que garantem esses investimentos no futebol.

Há queixas de conselheiros e uma ação na Alerj sobre a falta de informações em relação ao contrato com a 777. Como o Vasco pretende dar transparência ao processo?

O Vasco vem sendo transparente ao máximo durante todo esse processo. Essa é uma prioridade absoluta. O que é preciso entender é que o contrato é antes de tudo um negócio e todo negócio tem questões estratégicas que precisam ser preservadas. Temos que compreender que nosso parceiro é um player global, com outras negociações em andamento. A comissão especial do Conselho Deliberativo, o Conselho Fiscal e os presidentes de poderes do clube têm acesso à integra de todos os documentos.

Vamos garantir que nossos conselheiros, beneméritos e associados tenham à disposição todas as informações necessárias para tomar a sua decisão. O processo de comunicação está apenas começando. Disponibilizamos um endereço eletrônico para receber dúvidas de sócios e torcedores (duvidas.saf@vasco.com.br) e que vai disponibilizar as respostas no site oficial. Iremos realizar uma Audiência Pública aberta a sócios e torcedores com transmissão ao vivo pela VascoTV e seguiremos com um programa intenso de apresentações e reuniões junto a todos os públicos do clube.

Como tem sido o trabalho da Comissão Especial. Acredita que o parecer será emitido no prazo de 15 dias ou serão necessários mais 10 dias?

O trabalho está seguindo com normalidade. A comissão é coordenada pelo Roberto Duque Estrada e tem a participação de vascaínos muito qualificados, de diversas correntes do clube, para cumprir essa missão. O relatório da comissão é uma peça-chave nesse processo e o prazo de conclusão só pode ser definido pela própria comissão.

Mesmo ainda na Série B, a busca por ingressos tem sido muito grande, e São Januário ficou pequeno para alguns jogos do Vasco. Como o Maracanã entra no planejamento da SAF?

Não há dúvida que o Vasco hoje necessita de mais capacidade de público para abrigar sua torcida. Mesmo na Série B, temos lotado todos os jogos em São Januário e colocamos quase 130 mil espectadores em dois jogos no Maracanã. Não abriremos mão de São Januário, porém retorno do Vasco ao Maracanã é estratégico e será uma prioridade da SAF.

Defendemos um entendimento entre os clubes do Rio para a gestão do estádio, que é um equipamento público. Já apresentamos uma proposta objetiva nesse sentido, inclusive oferecendo São Januário para compor o calendário de jogos. Queremos dialogar e encontrar uma solução equilibrada e justa que possa atender a todos. Se não for possível um entendimento, contaremos com o apoio da estrutura global da 777 e seus parceiros para disputar a licitação.

Fonte: ge