CBF publica análise do VAR do lance de Léo Matos e do gol anulado de Raniel em Ponte Preta 3 x 1 Vasco

(Clique aqui para assistir aos vídeos.)

Análise do VAR: Ponte Preta x Vasco – 23ª rodada do Brasileirão SportingBet Série B 2022

A Comissão de Arbitragem da CBF divulgou, nesta quinta-feira (11), a atuação do árbitro assistente de vídeo (VAR) em Ponte Preta x Vasco da Gama, pela 23ª rodada do Brasileirão SportingBet Série B 2022. Confira a seguir o conteúdo disponibilizado de forma didática ao público do futebol:

Brasileirão SportingBet Série B: Ponte Preta x Vasco da Gama – 23ª rodada

CHECAGEM

Situação Protocolar: Ação de área penal

Decisão: Após checagem, VAR concorda com a decisão de campo

Regra

Regra 12

Tiro livre direto

Será concedido um tiro livre direto a favor da equipe adversária do jogador que praticar uma das seguintes ações, se consideradas pelo árbitro como imprudente, temerária ou com uso de força excessiva:

• fazer carga em um adversário;
• saltar sobre um adversário;
• dar ou tentar dar um pontapé em um adversário;
• empurrar um adversário;
• golpear ou tentar golpear (incluindo cabeçada) um adversário;
• dar uma entrada ou disputar a bola com um adversário;
• dar ou tentar dar um calço ou uma rasteira em um adversário.

Se uma infração envolver contato físico será punida com tiro livre direto ou pênalti:

– imprudência significa que um jogador demonstra falta de atenção ou consideração; ou atua sem precaução ‘em relação a um adversário, quando participa de uma disputa com ele. Não é necessária qualquer sanção disciplinar;

– temeridade significa que um jogador não considera o risco ou, as consequências para seu adversário. O jogador deve ser advertido com cartão amarelo (CA);

– uso de força excessiva significa que um jogador excede a força necessária e assume risco de causar lesão em um adversário. O jogador deve ser expulso (CV).

CBF/IFAB – Regras do Jogo (2021-2022)

CHECAGEM

Situação Protocolar: Checagem de gol

Decisão: Após checagem, VAR concorda com a decisão de campo

Regra

Regra 11

Posição de impedimento

Estar em posição de impedimento não constitui infração. Um jogador estará em posição de impedimento quando:

– qualquer parte de sua cabeça, corpo ou dos pés estiver na metade do campo adversário (excluída a linha de meio de campo) e se qualquer parte de sua cabeça, corpo ou dos pés estiver mais próximo da linha de meta adversária do que a bola e o penúltimo adversário. As mãos e os braços dos jogadores, inclusive dos goleiros, não são considerados. Um jogador não se encontrará em posição de impedimento quando estiver em linha com: o penúltimo adversário; ou os dois últimos adversários.

Um jogador em posição de impedimento no momento em que a bola for jogada ou tocada por um companheiro de equipe (o momento do primeiro ponto de contato com a bola, ao ser tocada ou jogada, é que deve ser considerado) só deve ser punido se participar ativamente do jogo:

– Interferindo no jogo ao jogar ou tocar na bola, passada ou tocada por um
companheiro; ou

-Interferindo em um adversário de uma das seguintes maneiras:

• Impedindo um adversário de jogar ou de poder jogar a bola ao obstruir claramente sua linha de visão;

• Disputando a bola com o adversário;

• Tentando claramente jogar a bola que se encontre próxima de si e quando essa ação causar impacto no adversário;

• Praticando uma ação óbvia que tenha impacto claro na possibilidade de o adversário jogar a bola.

– Ganhando vantagem da posição de impedimento por jogar a bola ou interferir em um adversário, quando a bola haja sido:

• Rebotada ou desviada em um dos postes ou no travessão da meta, em um oficial de arbitragem ou em um adversário;

• Jogada por um adversário para fazer uma “defesa deliberada”.

CBF/IFAB – Regras do Jogo (2021-2022)

Princípios do VAR

1. A tecnologia de vídeo só será usada para corrigir erros claros e incidentes não vistos nas situações pré-definidas e que podem mudar o rumo do jogo:

– Gol ou não gol;
– Pênalti ou não pênalti;
– Cartão vermelho direto
– Erro de identificação (o árbitro adverte ou expulsa o jogador errado).

2. A decisão final será sempre do árbitro.

3. Os Árbitros Assistentes de Vídeo (VARs) são membros da arbitragem e qualquer informação fornecida ao árbitro por um VAR será tratada da mesma forma que uma informação recebida de uma árbitro assistente, árbitro assistente adicional ou do quarto árbitro.

4. O árbitro sempre tomará sua decisão independentemente da existência dos VARs, ou seja, o árbitro não pode não tomar uma decisão, remetendo a situação ao VAR. Se o árbitro decidir não paralisar o jogo devido a uma possível ofensa, a decisão (de permitir a continuação do jogo) poderá ser revisada. Em raras ocasiões o árbitro pode consultar o VAR. Por exemplo, ao pedir para identificar o jogador que deve ser punido.

5. A decisão original tomada pelo árbitro não será alterada, salvo se a revisão pelo vídeo mostrar que a decisão foi claramente errada.

6. Só o árbitro poderá iniciar uma revisão. O VAR (e os demais membros da arbitragem) só poderão recomendar que o árbitro faça uma revisão.

7. Seja qual for o processo de revisão, não pode haver pressão para que uma decisão seja revisada rapidamente, pois a precisão é mais importante que a pressa.

8. Os jogadores e a equipe técnica não podem ficar ao redor do árbitro, nem tentar influenciar sua decisão, ou no processo de revisão. O jogador que usar o ‘sinal de revisão’ de modo ostensivo dever ser advertido (cartão amarelo).

9. O árbitro deverá permanecer ‘visível’ o máximo possível durante o processo de revisão, para garantir transparência.

10. Se o jogo continuar após um incidente revisável, qualquer medida disciplinar tomada ou exigida durante o período pós incidente não pode ser cancelada, ainda que a decisão original seja alterada (com exceção de advertência ou expulsão por parar um ataque promissor ou uma chance clara de gol).

11. Há limites – antes da decisão e depois de um incidente – para que uma revisão possa ser feita.

12. Na medida do possível, o protocolo VAR visa cumprir os princípios e a filosofia das Regras do Jogo.

DOWNLOAD: Protocolo do VAR

As Leis do Jogo

Sobre as leis do jogo, é importante ressaltar o seguinte trecho das Regras do Jogo (IFAB/CBF, 2021-2022):

1. A autoridade do árbitro

O jogo é disputado sob o controle de um árbitro, que tem total autoridade para
cumprir as regras do jogo.

2. Decisões do árbitro

O árbitro deve tomar as decisões do jogo com o máximo de sua capacidade, de acordo com as regras e o “espírito do jogo”, segundo sua opinião. Em razão disso, o árbitro possui poder discricionário para adotar as medidas adequadas para cumprir a essência das regras do jogo.

Fonte: CBF