Mais da metade dos gols sofridos pelo Vasco na Série B são de bola aérea

Um dos principais problemas em 2021, o desempenho defensivo do Vasco nas bolas aéreas piorou na atual Série B. Na competição, oito dos 15 gols sofridos até aqui foram pelo alto, ou seja, mais da metade. O detalhe é que sete desses oito gols aconteceram após a saída de Zé Ricardo para o futebol japonês.

Contra a Ponte Preta, as bolas lançadas na área foram determinantes no resultado. Enquanto o jogo estava 0 a 0, Élvis cruzou e Wallisson marcou de cabeça. No segundo tempo, quando a partida estava empatada em 1 a 1 e o Vasco era melhor, Lucca fez o gol da equipe paulista depois de cobrança de escanteio.

Em 2022, o Vasco sofreu 14 gols pelo alto, dos 29 no sofridos no total (53%). No entanto, o desempenho no quesito era bom na Série B até a saída de Zé Ricardo. Em 11 jogos na competição com o antigo treinador, a equipe sofreu apenas um gol de bola aérea, no empate em 1 a 1 na estreia contra o Vila Nova, em São Januário. Depois da saída do técnico para o Japão, o time já sofreu sete gols pelo alto em 12 jogos.

A bola aérea é um antigo problema do Vasco, que assombrou a equipe em 2021. O desempenho era péssimo e a dificuldade foi escancarada ao longo da temporada passada. Os números não mentem: dos 77 gols sofridos em 2021, 41 foram pelo alto (os mesmos atuais 53%).

Outro ponto a se destacar é a origem dos cruzamentos. Em 2021, a maior fragilidade na defesa era pelo lado esquerdo no momento do passe anterior ao gol. Em 2022, as assistências ocorrem mais pelo lado direito.

Fonte: ge