Com 10 dias sem jogos, Vasco terá tempo para tentar resolver pendências dentro e fora de campo

Depois da derrota para o CSA por 2 a 0, na última quinta-feira, o Vasco volta ao Rio de Janeiro com uma pausa de 10 dias antes do próximo compromisso, contra o Bahia, no dia 28 de agosto, também fora de casa. Tempo suficiente para o clube se acertar dentro e fora de campo. Veja alguns pontos a serem trabalhados pelo Vasco nesse período:

Evolução do time

A irregularidade do Vasco nas últimas rodadas preocupa. O time conseguiu bons resultados em São Januário, com vitórias expressivas contra CRB e Tombense, por exemplo, mas vem de quatro derrotas seguidas fora de casa. Emílio Faro precisa encontrar um equilíbrio.

O departamento de futebol terá tempo para realinhar a estratégia e corrigir a rota, já que três dos próximos quatro jogos do Vasco na Série B serão longe do Rio. Pontuar como visitante é prioridade para não desgarrar do grupo dos quatro primeiros colocados.

O tempo para treinar tem que ser usado para retomar a solidez defensiva, consertar o posicionamento da bola aérea e melhorar as ideias ofensivas – o Vasco criou quase nada contra o CSA, com apenas duas das oito finalizações chegando de fato ao gol de Marcelo Carné. Além disso, pode ser um período importante para os reforços contratados na segunda janela se encaixarem no time.

Treinador

Sem treinador desde que demitiu Maurício Souza, em 24 de julho, o Vasco ainda não fez movimentos firmes no mercado para ocupar o cargo que hoje é exercido de forma interina por Emílio Faro. O auxiliar técnico tem o apoio do elenco, o qual ajudou a formar, mas tem oscilado na Série B e já deixou claro para pessoas próximas que não tem interesse em ser efetivado nesse momento.

Existe uma pressão da 777 Partners para que Paulo Bracks, diretor esportivo da SAF, encontre um treinador dentro do perfil definido, mas o executivo, junto com o gerente de futebol Carlos Brazil, tem dado um voto de confiança a Emílio Faro enquanto não aparecem oportunidades. A ideia é contratar um comandante que já participe do planejamento para 2023.

Enquanto não aparece ninguém dentro do perfil desejado, Emílio Faro segue no comando, mas com ares de situação indefinida, o que aumenta a instabilidade rodada após rodada.

– O Paulo, hoje, está presente no nosso dia a dia, uma pessoa que tem dado todo o suporte e tranquilidade para a realização do trabalho. Eu me considero uma pessoa muito conhecedora do grupo. Então essa questão do treinador que vem, treinador que não vem, vai ser sempre uma pergunta voltada para um saber que no momento, na partida de hoje, não tem um grau de importância tão grande – desconversou Emílio Faro após a derrota para o CSA.

Transição da SAF

Após a aprovação da venda da SAF para a 777, no dia 7 de agosto, a empresa americana deu início à transição para assumir de fato o futebol do Vasco. Os próximos dias servirão para dar andamento às questões burocráticas que envolvem o processo.

O Vasco da Gama Sociedade Anônima do Futebol já tem um CNPJ. Os próximos passos são abrir uma conta bancária e dar início à transferência dos ativos. Se tudo correr bem com os planos da diretoria, o jogo contra o Bahia, deverá ser o primeiro do Vasco SAF.

O período servirá ainda para a imersão de Paulo Bracks no dia a dia do Vasco. O diretor esportivo acompanhou o time em Maceió e já tem tomado algumas decisões para otimizar o departamento de futebol. Os jogadores começam a perceber as mudanças, como revelou o volante Yuri Lara em entrevista ao ge na última quarta:

– Não teve uma mudança drástica. O Paulo Bracks chegou, é um cara que vai nos ajudar. Teve também mudanças no CT, melhorias que a gente já percebe, como o campo, que ajuda bastante, algumas salas que passaram a ser utilizadas. É pouca coisa, mas conforme o tempo for passando eles vão fazer uma reforma maior. A SAF é, sem dúvidas, uma coisa boa para o Vasco.

Alex Teixeira

Os 10 dias sem jogos podem ser cruciais para a evolução de Alex Teixeira, principal contratação do Vasco nesta temporada. O atacante chegou na segunda janela e só fez quatro jogos pelo time, ainda sem grande destaque.

O jogador não está na melhor condição física. Visto como peça-chave para melhorar o ataque vascaíno, Alex Teixeira está em processo de readaptação ao futebol brasileiro e pode usar o período livre para se entrosar com os companheiros. O tempo servirá também para Emílio Faro encontrar a melhor forma de encaixar o atacante na equipe junto com Nenê.

Departamento médico

Esse talvez será o ponto de maior dificuldade do Vasco. Se por um lado o tempo livre pode ajudar a diminuir o desgaste dos atletas e prevenir lesões, dificilmente será suficiente para recuperar o meio-campista Marlon Gomes, que lesionou a coxa esquerda no último sábado.

O atleta de 18 anos fez apenas dois jogos como titular, mas as atuações lhe fariam garantir vaga no time. Ele desequilibrou, por exemplo, na vitória sobre o Tombense, na rodada passada. Foi detectada uma lesão no músculo semimembranoso, considerada moderada, mas que deve exigir pelo menos três semanas de tratamento.

Marlon Gomes é o jogador de maior relevância no departamento médico. Os laterais Gabriel Dias e Riquelme também estão entregues aos médicos, mas foram operados recentemente e não voltam a jogar nesta temporada. O volante Juninho trata lesão muscular, mas perdeu espaço no time principal e pode até ser negociado pelo Vasco.

Fonte: ge