Profissionais da moda elegem camisas de Cruzeiro, Botafogo, Corinthians e Vasco as 4 mais bonitas do Brasil em 2022

Poucas vestimentas são tão únicas quanto uma camisa de futebol. São singulares e trazem a identidade vista semanalmente pelos gramados brasileiros. Além disso, despertam a ansiedade nos torcedores por lançamentos e novas linhas que são produzidas ano após ano. Mas, entre todas as que estão em atividade nas principais divisões do futebol brasileiro, qual pode ser considerada a mais bonita da temporada de 2022? Gosto é pessoal, claro, mas o GLOBO chamou os especialistas para decidir a questão.

O júri foi montado por jornalistas e produtores de moda, estilistas e consultores que trabalhem na área para trazer uma opinião estritamente profissional. Claro, todos eles também têm um time de coração, mas foram chamados com uma premissa básica e simples: analisar esteticamente cada uniforme. Assim, como em um desfile de moda, o ranking dos uniformes mais bonitos da temporada de 2022 teve três clubes com destaque especial: o Botafogo, o Cruzeiro e o Corinthians, que formaram o top-3 dando uma lavada nos outros concorrentes.

Empate técnico

No topo da lista, um empate técnico. A linha mandante do Cruzeiro (camisa azul) e visitante do Botafogo (a camisa preta, já em pré-venda mas ainda sem uso nos gramados) conseguiram a mesma pontuação. No caso do alvinegro, muitos dos elogios foram destinados aos tons diferentes das faixas pretas que cortam o uniforme.

— Apesar de não ser a camisa tradicional, mantém as listras de forma sutil, em combinação de preto e grafite escuro, em versão minimalista, destacando o principal: o escudo da “estrela solitária”, distintivo do time. Completam o refinamento, a gola justa e a modelagem mais colada ao corpo, que valoriza o corpo do atleta — comenta Paula Acioli, pesquisadora e analista de moda e comportamento.

Curiosamente, as peças do Botafogo são de confecção própria e estão sendo comercializadas com a marca “Glorioso”. Os uniformes atuais foram feitos provisoriamente e pensados para período curto. O clube afirma que negociará com calma com possíveis parceiros para 2023. Reebok e Joma são as favoritas.

— Com perfume retrô e sem grandes invenções, a camisa transmite conforto e tradição, itens indispensáveis no hora do jogo — completa Marina Caruso, editora-chefe da revista Ela, do GLOBO.

Azul cruzeirense

Empatada tecnicamente na liderança, a camisa do Cruzeiro foi lançada em março deste ano. O uniforme traz o primeiro escudo do clube após a mudança de nome de Palestra Itália para Cruzeiro, em 1942. O destaque também está no corpo da camisa, onde há a representação de diversas constelações — incluindo, claro, o Cruzeiro do Sul.

— Azul e branco são duas das unanimidades em cores adoradas. São positivas e potentes cada uma a sua maneira. Gostei muito também da listras nos ombros, acho que trazem força. E, principalmente, amo a estampa de céu, de natureza, de vida! Acho uma camisa muito linda, ativa e poderosa — opina Manu Carvalho, stylist e consultora de moda.

Completando o top-3, está a linha de visitante do Corinthians. Ela faz faz parte da série ‘Segue Arrepiando”, que faz menção aos dez anos das conquistas da Libertadores e Mundial do clube paulista.

— O que me pegou mesmo foi a frase na parte interna da camisa (The Favela is Here, em tradução “A Favela está aqui”). Fui dar um Google e descobri a imagem do mundial de 2012, esbarrei numa entrevista com o autor da frase e descobri que além de uma afirmação orgulhosa da sua origem, a faixa era uma resposta a algumas piadas preconceituosas. Acho muito importante reafirmar sempre os espaços e as potências que a periferia produz — avalia o stylist Lucas Magno.

Em quarto lugar ficou uma das camisas do Vasco — a linha de visitante, branca.

— Gráfica, simples e clássica — resumiu Felipe Veloso, stylist e produtor de moda .

As golas garantiram o top-5 ao América-MG.

— Fazem diferença quando há uma sacada gráfica. A ideia de deixar apenas a metade da listra preta no colo cria um efeito ótico, replicado na barra da manga — afirma Pedro Diniz, jornalista de moda.

Fonte: O Globo