No embalo da boa fase, Rodrigo vira xerife para a torcida e divide méritos

edmilson rodrigo Vasco treino pinheiral (Foto: Marcelo Sadio / Vasco.com.br)

Acostumada a apostar suas fichas na zaga nos últimos anos, a torcida do Vasco ficou orfã de um destaque após a venda do ídolo Dedé, em maio de 2013. Foram longos meses de muitos gols sofridos, falhas seguidas e desconfiança que culminaram no rebaixamento à Série B. Até que Rodrigo chegou e, ao menos nos primeiros passos, ganhou o posto de xerife da defesa, como entoado em coro pelos cruz-maltinos no Raulino de Oliveira, na última quarta-feira.

Aos 33 anos, o jogador encara nova fase na carreira. Depois de uma série de lesões, se firmou no Goiás, do qual vem de grande temporada. Sereno, não se empolga com o carinho, mas também não esconde que isso tem motivado seu trabalho a cada dia. Para Rodrigo, é seu estilo sem firulas que leva o público a considerá-lo um líder. E divide os méritos com o time inteiro.

– Eu procuro jogar sério, então isso passa de dentro para fora de campo. Foi a primeira que ouvi esse grito da forma que foi. Fico feliz porque aquilo que venho fazendo nos treinos está dando certo, e o que os nossos atacantes vêm marcando não é brincadeira. No plantel, não precisa ter só estrelas, o que vale é correr por um só objetivo – acredita.

Sem rejeitar o rótulo, o camisa 3 entende que os vascaínos estavam carentes. Ele observou de perto a via-crúcis do Campeonato Brasileiro. Na partida em Macaé, com mando do clube carioca, o Esmeraldino venceu por 2 a 0 e Rodrigo marcou até um dos gols.

– A torcida estava um pouco desconfiada. Sempre vão estar de olho e cobrando do setor defensivo e do ofensivo, que é o responsável pelos gols, também. Acompanhei um pouco do ano passado, sei que foi difícil. O objetivo da defesa é ser a menos vazada do campeonato. O atacante quer ser artilheiro e a defesa tem seus objetivos. É nisso que temos de nos apegar. Mesmo num 1 a 0, às vezes sem jogar tão bem, o importante é vencer.

E a meta do zagueiro e seus companheiros está sendo cumprida à risca por enquanto. Após três vitórias sem fazer o goleiro Martín Silva – outro da lista de xodós deste começo de 2014 – buscar a bola da rede, o Vasco sofreu um gol para o Volta Redonda, quarta-feira, e soma apenas três no total, em seis rodadas no Campeonato Carioca. O adversário mais próximo é o Bonsucesso, com quatro.

Rodrigo ainda não se sente no nível de seu desempenho no Goiás. E lembra que, mesmo no ano passado, demorou a embalar e precisou da paciência da comissão técnica.

– Depois de umas dez rodadas é que eu vou me soltando mais. No estadual do ano passado não joguei tanto, estava me adaptando à cidade, ao clima. Jogava três partidas e ficava uma fora. Mas quando chegou o Brasileiro eu estava, como se diz, nos cascos. Vejo que tenho evoluir, como a equipe toda. É normal – explicou.

O clube cruz-maltino entra em campo pela sétima rodada da competição no próximo domingo, às 17h, contra o Nova Iguaçu, novamente em Volta Redonda. Em segundo lugar, com 14 pontos, o Vasco pode passar o Flamengo em caso de triunfo e empate do arquirrival.

Fonte: GloboEsporte.com

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠