Jogadores recordam momentos no Colégio Vasco da Gama‏

 
O Colégio Vasco da Gama completou no último dia 08 de março dez anos de vida. Ao longo de sua história, a instituição teve como frequentadores atletas que chegaram a fazer sucesso no time profissional. Alex Teixeira e Phillippe Coutinho, que hoje brilham na Europa, são exemplos de jogadores que estudaram na escola localizada em São Januário. Atualmente, outros ex-alunos representam complexo educacional no plantel principal.

O goleiro Jordi Martins, o zagueiro Luan Garcia, os laterais Henrique Silva e Lorran Quintanilha e o atacante Thalles Lima passaram alguns anos da vida se dedicando e aprendendo os ensinamentos do colégio cruz-maltino. Na última semana, os atletas retornaram às origens e fizeram uma visita ao prédio da instituição. Na oportunidade, os pratas da casa distribuíram cadernos e deram conselhos para os atuais estudantes. O capixaba Luan, que estudou da 7ª série ao 3º ano do ensino médio no local, pediu dedicação os frequentadores.

– Acho muito importante o Vasco ter um colégio na sua própria sede. Digo aos atletas que se dediquem aos estudos, pois os ensinamentos serão importantes mais para frente. Eu cheguei ao Vasco muito novo e me formei aqui. Tenho um carinho por todos que trabalham aqui dentro. Parabenizo o colégio pelos dez anos de vida. Sou muito grato a ele pela educação que me deu – disse Luan.

Destaque do sub-20 campeão da Taça Belo Horizonte do ano passado, Jordi estudou três anos no Colégio Vasco da Gama. O goleiro não se arrepende de ter feito todo o seu ensino médio na instituição vascaína. O atleta da geração 93 frisou a importância do conhecimento.

– Eu estudei três anos no colégio. Ele é muito importante para os atletas de todas as modalidades. O clube dá suporte e faz com que os jogadores não deixem de estudar por conta dos treinamentos. A escola é fundamental – afirmou Jordi.

 

Promovido ao profissional no ano passado, Henrique relembrou alguns momentos alegres vividos nas dependências da escola. Durante a visita, o lateral-esquerdo percorreu salas, contou histórias engraçadas e se mostrou feliz por ter tido a oportunidade de estudar no Estádio de São Januário da 8ª série ao 3º ano do ensino médio.

 – Eu vivi boa parte da minha adolescência no colégio. Foi muito gostoso, pois pude conviver fora do campo com os meus companheiros de time. Isso ajudou a nossa amizade a crescer ainda mais. Às vezes a gente chegava do treino em cima da hora e o pessoal dava todo auxílio, principalmente quando a gente fazia viagens e faltavas nas provas ou trabalhos. O colégio dá um suporte legal para o clube e seus atletas. Todos os clubes deveriam ter uma escola em suas dependências – declarou Henrique.

Caçula do plantel principal, Lorran não só passou por todas as categorias da base cruz-maltina, mas também fez quase toda sua formação escolar no Colégio Vasco da Gama. O jovem da geração 96, que estudou na colina histórica da 5ª série ao 1º ano do ensino médio, afirmou que a instituição tem uma importância muito grande na sua vida.

– Eu acho que o Colégio Vasco da Gama foi muito importante para a nossa formação. Os professores sempre colaboraram com a gente. A escola sempre me ajudou muito. Ele foi muito importante para a minha formação – disse Lorran.

Túnel do tempo: fichas dos atletas no Colégio Vasco da Gama

 
 
 
 
 

Fonte: Site Oficial do Vasco

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠