Opinião: “O grande erro da administração Campello”

Dissidências políticas, conluios para o esvaziamento da diretoria administrativa, discussão sobre o processo eleitoral, torcedores se enfrentando nas redes sociais na defesa dos cartolas de estimação…

O Vasco passou o ano dividido em batalhas internas e só agora, a dias de poder sofrer o maior revés financeiro de sua história, é que os mais lúcidos começam a ter ideia do valor da conta.

A disputa pelo poder cegou os vascaínos de tal forma que não se encontra em pesquisa na internet um só relato de reunião de conselheiros questionando o ex-presidente Alexandre Campello e o ex-executivo de futebol André Mazzuco por terem conseguido piorar o time medíocre do Brasileiro de 2019.

Hoje, Vanderlei Luxemburgo quer mais um volante para proteger o meio, e não tem.

Quer um meia para segurar a bola e quebrar as linhas adversárias, não tem.

Procura um atacante veloz para explorar os contragolpes, não tem.

Quer mais um homem de área para dividir o espaço com German Cano, também não tem.

E não estou falando de qualidade técnica, mas de características.

O elenco não dispõe de peças para montagem de um mecanismo de jogo competitivo.

Não resta alternativa senão recondicionar as usadas na temporada passada, como Pikachu, Wesley e Marcos Júnior.

Alguém que ajude na maturação de jovens (já desgastados) como Andrey, Juninho, Talles Magno e Vinícius.

O que pensaram Campello, Mazzuco e José Luiz Moreira, o vice de futebol, semanas antes do fechamento da janela para novas inscrições?

Que o elenco era bom o suficiente para suportar o peso da camisa?

Como pode um grupo de jogadores tão chinfrins custar cerca de R$ 4 milhões por mês?

É absolutamente inacreditável que um clube da grandeza do Vasco tenha passado os últimos três anos entregue a gerentes forjados como executivos.

Como se não houvesse diferença entre as funções.

E este foi o grande erro da administração Campello: não ter sabido escolher o gestor para o futebol.

Paulo Pelaipe, Alexandre Faria e André Mazzuco mostraram-se escolhas equivocadas.

Não lembro de ter visto Vanderlei Luxemburgo tão enfraquecido como na derrota para o Internacional, em São Januário.

Talvez por ele saber que a situação foge à própria competência.

Nos últimos dias, a saída foi intensificar o trabalho da psicóloga Maíra Ruas.

Como o Vasco tem de vencer o Corinthians, em São Paulo, e o Goiás, no Rio, é preciso tirar forças de onde não se vê…

Fonte: Blog Futebol, Coisa & Tal – Extra Online

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠