Nos bastidores, clubes se dizem decepcionados com modelo de negócio do Estadual 2021

Os clubes que disputaram o Campeonato Carioca 2021 estão decepcionados com o modelo de negócio deste ano do Estadual do Rio. A avaliação nos bastidores é que o acordo só foi bom para o Flamengo, pela força de sua torcida, e para a Sportsview, agência comandada por Marcelo Campos Pinto, ex-diretor da Globo.

Os times pequenos são os que mais reclamam. Muitos não puderam honrar seus compromissos pela falta de arrecadação com o pay-per-view, e com o modelo de pagamento feito pela Record. A coluna teve acesso a um documento, usado em um processo trabalhista do Botafogo, que mostra que a emissora só efetuou pagamento de cotas na última sexta-feira (20).

O valor que a Record pagou aos times grandes é bem pequeno: R$ 288 mil, dividido em duas parcelas – uma paga na semana passada de R$ 72 mil, e outra, de R$ 216 mil, que será depositado no mês de junho. Ou seja, para todos os times gigantes do Rio, a Record pagará R$ 1,152 milhão. Já os pequenos ficarão com R$ 147 mil cada, um valor irrisório.

A Record pagou R$ 11 milhões pelos direitos de transmissão dos times, mas grande parte deste valor (pouco mais de R$ 6 milhões) é destinado à Sportsview, a produtora que gerencia o Campeonato Carioca no pay-per-view. A Ferj ficou com 10% do total – cerca de R$ 1,1 milhão. Para os clubes, como noticiou o colunista Rodrigo Mattos, restaram cerca de R$ 3 milhões.

Falando na Sportsview, os times menores, principalmente, estão revoltados, porque na negociação foi vendido que o atual modelo seria inovador, o que não corresponde à avaliação feita por eles atualmente. Pelo contrato, a Sportsview recebeu os primeiros R$ 6 milhões dos direitos de transmissão para cobrir custos exorbitantes de produção e outras despesas.

Além disso, a empresa recebeu uma comissão 8% de tudo que foi arrecadado com as vendas dos direitos de transmissão para emissoras e operadoras de TV por assinatura. Somando o que Sky, Claro, Vivo e Record investiram, a competição faturou cerca de R$ 20 milhões.

O valor decepcionou os clubes. Mas a agência de Marcelo Campos Pinto embolsará pouco mais de R$ 1,5 milhão de comissão pelas vendas realizadas. Somando tudo, R$ 7,5 milhões do valor do Carioca foram para a agência.

Clubes se incomodaram com falta de venda publicitária

Outra crítica dos clubes é relacionada à publicidade e aos naming rights, cujo dinheiro das vendas seria dividido com os clubes. Nenhuma marca anunciou no torneio nem em suas transmissões.

Por fim, há outras críticas sobre a gestão do dinheiro de produção feito pela Sportsview. As queixas principais são pela falta de resultados nas redes sociais, por uma programação feita para o canal pay-per-view do Carioca que era pouco vista pelo público e pela contratação de uma empresa para a concepção da nova identidade visual da competição pelo valor de R$ 400 mil.

Na visão dos clubes descontentes, o único que conseguiu certo faturamento foi o Flamengo, por causa da força de sua torcida e da FlaTV. O pay-per-view próprio de Vasco, Fluminense, Botafogo e de todos os times pequenos não foram rentáveis e o resultado não foi o esperado por ninguém.

Para o ano que vem, os clubes sinalizam o desejo de rediscutir pontos do contrato, se a Sportsview e a Ferj desejarem e reconhecerem os pontos negativos da experiência. O objetivo é que o acordo fique mais vantajoso para todos na próxima temporada.

Fonte: Coluna Gabriel Vaquer – UOL

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠